Michel e Francisco

Há 69 anos, mais coisa menos coisa, que o som “tap tap tap” o acompanha. Primeiro com as mãos, mais tarde com os pés, a música fazia-se sentir por onde ele passasse. E, uma vez nos pés, nunca mais aquele som se desapegou. Um som que podia ser de desassossego se não fosse de alegria. Michel de Roubaix, “pai do sapateado” em Portugal, veio para cá em busca de uma aventura e encontrou uma paixão de vida. Aqui, aprendeu com inglesas coristas a “sapatear” e daqui partiu para Nova Iorque ao encontro de uma dança nova. Regressou com um certificado da Broadway Dance Center. Tudo o que aprendeu, foi cá que ensinou.
Francisco tem asas nas pontas dos pés, o coração nas mãos e braços que levitam. Quando entra em palco, o corpo de menino dá lugar a um adulto de passos firmes e olhar seguro. É uma das maiores esperanças do ballet nacional, vê-lo dançar é tão comovente como ver um passar fugir da gaiola. Quando dança, é livre. Mutável.
Juntos, fazem do 11º vídeo uma poesia dançada, uma história que podia ser de avô e neto, um carinho que nos envolve e abraça num aplauso que os dois prolongam, em admiração mútua. Duas gerações que desafiam a gravidade e que provam que na dança – e que em tudo o que nos faz felizes – não há idade.